Depressão na adolescência: veja os sinais e como identificar

Entenda melhor o quadro e sua prevalência entre os jovens

ARTIGO DE ESPECIALISTA - PUBLICADO EM 28/06/2017

Dr. Ivan Mario Braun
Psiquiatria - CRM 57449/SP
especialista minha vida

Desde o desafio da baleia azul, tem-se falado cada vez mais da depressão nos adolescentes. A depressão se caracteriza por uma constelação de sintomas e sinais incluindo:

PUBLICIDADE
  • Grande diminuição da capacidade de sentir prazer ou do interesse em todas ou quase todas as atividades
  • Aumento ou diminuição de apetite
  • Insônia ou hipersônia
  • Agitação ou retardo psicomotor
  • Fadiga e perda de energia
  • Sentimento de inutilidade ou culpa excessiva ou inadequada
  • Capacidade diminuída de pensar ou concentrar-se ou indecisão
  • Pensamentos de morte recorrentes, ideação suicida ou tentativa de suicídio ou plano específico de cometer suicídio (1).

Os sintomas apresentados pelos adolescentes são, basicamente, os mesmos dos adultos e a clareza da descrição que a pessoa consegue fazer do seu quadro, como nos adultos, vai depender da capacidade de auto-observação e da riqueza do vocabulário do paciente. Uma importante diferença, entretanto, em crianças e adolescentes é que, ao invés da tristeza, a manifestação principal pode ser de irritabilidade (1).

A prevalência observada de depressão em adolescentes vai de 3 a 8%, sendo que até o final da adolescência cerca de 20% terão tido algum episódio depressivo. É possível que, em países de baixa ou média renda, o quadro seja mais comum (2). Coerente com esta última observação, num estudo brasileiro conduzido entre 2005 e 2006, 20% dos adolescentes entre 14 e 15 apresentavam quadros de depressão leve a moderada e 8,9% depressão maior, assim como 13,5% daqueles entre 16 e 17 anos apresentavam quadros leves a moderados e 17,1% quadros de depressão maior (3).

Pessoas com depressão também podem apresentar com maior frequência outros quadros psiquiátricos, como as várias formas da ansiedade, abuso de drogas e transtorno de déficit de atenção-hiperatividade. Há evidências, também, de que o uso de drogas pode levar a quadros depressivos (2).

Além disto, a depressão pode ser consequente, algumas vezes, ao uso de alguns tipos de medicação como, por exemplo, os anti-inflamatórios do grupo dos corticoides (1). Quando se faz o diagnóstico da depressão, é muito importante investigar estes aspectos.

Como os pais podem identificar a depressão do adolescente?

O comportamento irritável, a resistência em iniciar e realizar tarefas, o sono excessivo levando o jovem a permanecer muito na cama e a dificuldade de concentração podem levar os pais a pensarem que se trata de atitudes de rebeldia e contestação, comuns nesta faixa etária. É importante que a família procure uma orientação psiquiátrica para que seja feito o diagnóstico diferencial entre problemas comportamentais e um transtorno depressivo.

De modo geral, as boas práticas de parentagem recomendam que os pais fiquem sempre próximos aos filhos, tanto na abertura para conversas, quanto no acompanhamento dos estudos e no conhecimento de seu dia-a-dia (4). Quanto melhor conhecem sua filha ou filho, tanto menor a probabilidade de os pais serem pegos de surpresa por problemas graves.

Em caso de suspeita de depressão, deve-se sempre consultar um psiquiatra, que é o profissional que tem a formação mais completa e adequada para dar as devidas orientações nesses casos.

Referências:
1. American Psychiatric Association. (2013). Diagnostic and statistical manual of mental disorders (5th ed.). Washington, DC.
2. Thapar A; Pine DS; Leckman JF; Scott S; Snowling MJ; Taylor EA Rutter's Child and Adolescent Psychiatry 6th Edition (2015), Chischester, RU (Kindle edition)
4. Coelho CL, Crippa JA, Santos JL, Pinsky I, Zaleski M, Caetano R, Laranjeira R. Higher prevalence of major depressive symptoms in Brazilians aged 14 and older. Rev Bras Psiquiatr. 2013 Apr-Jun;35(2):142-9.
5. Steinberg L The 10 Basic Principles of Good Parenting (2005). New York, EUA 207 p.